Tags

, ,

#*#*# DISCLAIMER #*#*#

Meus textos são baseados na minha experiência e na observação, não estou dizendo que estou certo e fiquem tranquilos, podem me corrigir caso eu esteja falando algo muito errado.

Convivência, ai está algo que pode definir positiva ou negativamente a vida de um TDAH, as pessoas que nos cercam ao longo da vida podem ser determinantes pra se acentuar ou diminuir algumas das nossas características e pensando esses dias cheguei a conclusão que a tendência a comportamento anti social pode ser apenas uma resposta a um reforço negativo ao longo da infância.

Me dando como exemplo, sou tdah de pai e de mãe, como eu escrevi aqui minha infância teve muito da parte boa de tdah, meus pais tinham uma vida social intensa e eu cresci no meio de pessoas com uma cabeça mais aberta, eu tinha muita liberdade pra falar besteira, durante meus 10 primeiros anos eu recebi muito reforço positivo. Aos 12 anos eu me torneio atleta, praticar esporte é algo muito importante pelo aspecto físico, mas do ponto de vista social é um ambiente que favorece bastante quem tem o nosso perfil. Socialmente no ambiente esportivo se é muito mais aceito se você tem uma certa impulsividade, liderança, criatividade, características inerentes a nós, transtornados.

Isso me tornou um adulto muito confiante e com uma excelente habilidade social, como todo tdah eu tenho problemas em ambientes que sejam hostis as minhas características, pessoas com cabeça fechada, metódicas, sistemáticas são um desafio a minha maneira mais franca de ser, mas de uma forma geral, eu consigo me sair muito bem, assim como meus irmãos e alguns outros amigos potencialmente tdah´s que eu tenho.

Eu acho que esse ambiente hostil na infância acaba gerando muito reforço negativo o que deve comprometer muito a habilidade social do tdah na vida adulta, o que pode ser o motivo de se associar personalidade anti social ao transtorno.

Falando de maneira rápida sobre reforço, a grosso modo o reforço é a resposta que você da a cada comportamento. Um reforço negativo é quando um filho deixa o quarto bagunçado e toma uma puta bronca, ou fica de castigo ou em casos mais graves apanham. Já o reforço positivo é quando você elogia aquela vez que o filho arruma o quarto, ou da algum mimo.

Tdah´s são muito sensíveis a reforço, tanto negativo quanto positivo, sendo notável na minha experiência pessoal que o positivo tem um efeito muito mais satisfatório. Minha mãe foi a rainha do reforço negativo, era só ver um prato fora do lugar pra vir uma chuva de gritos e palavrões. O nome do blog é uma lembrança da minha infância, onde dizer a palavra “esqueci” era motivo pra um severo puxão de orelha. Intuitivamente, a gente pode achar que o cara tomou uma bronca, agora não vai fazer mais, mas o que aconteceu comigo e com meus irmãos é que a gente é muito desorganizado, eu só melhorei isso depois que sai de casa e passei a conviver com uma pessoa que pela personalidade dela, me elogia muito mais do que crítica. O resultado é que hoje eu lavo louça e embora ainda seja desorganizado, não passo perto da desorganização de outrora.

Imaginem um cenário onde o joãozinho é o terceiro filho de um casamento já um pouco desgastado por uma mãe que é tdah, ela luta contra o jeito dela de ser e tem dois filhos que não são tdah e são mais metódicos, como o pai. Esse terceiro filho começa a crescer e dar os problemas clássicos de um tdah, em uma família que é metódica, ele é o único que tem problemas na escola, dificuldade pra aprender, vive sendo repreendido, inclusive sendo comparado o tempo inteiro com os irmãos, ninguém tem paciência com ele e a mãe, que poderia ser a pessoa a ajudá-lo, por ver nele o comportamento que nela é indesejado, passa a hostilizar o filho. Pronto está feito o estrago de uma vida.

Vamos imaginar um cenário contrário, que é muito próximo ao meu, um dos pais é tdah, passa pro filho, mas ele é o primeiro filho, tudo é novidade, a mãe estimula o filho a ser questionador, estimula a curiosidade dele, essa criança vive recebendo reforço positivo, é comparada a outras crianças como exemplo a ser seguido, é cercada por pessoas mais flexíveis a novas ideias, conhece muitas pessoas durante a infância. Está pavimentado o caminho pra uma pessoa bem sucedida.

Se você é pai ou mãe, olhe com carinho pro seu filho, pense no reforço positivo, tente entender porque essa criança é diferente, tome cuidado pra não passar os sentimentos do casamento pra criança, crianças tdah´s tendem a ser altamente empáticas (empatia vale um post só pra falar sobre isso).

Se você já é um adulto, vale a reflexão de pensar em como você passou pela infância e identificar se parte do seu comportamento não é apenas uma resposta a algum reforço negativo na sua criação.

Anúncios