Odeio quando isso acontece, fui deitar as quatro da manhã, sem sono nenhum, rodei na cama até agora, 8 da manhã, não parava de pensar em posts pro blog e agora que sento no notebook, cadê ideia?

 
Com certeza o que eu mais preciso corrigir no tdah é eu controlar minha mente e não o contrário. As vezes sinto que sou um passageiro no meu próprio corpo, é como se alguém tomasse algumas decisões independente da minha vontade e me sinto péssimo com isso. Hoje por exemplo eu queria dormir, minha cabeça não deixou e ficou me azucrinando por longas quatro horas com um pensamento fixo em escrever, agora que eu levantei pra fazer isso e sento no notebook ela me simplesmente me trolla sumindo com tudo o que eu estava pensando. Ok que eu vacilei, porque levantei, liguei a tv, fiquei olhando facebook e foi o suficiente pra dispersar, mas como quem manda nesta “pôra” sou eu, cá estou enrolando e esperando voltar o fio da meada.
 
Eu quero escrever sobre tanta coisa, que isso acaba me paralisando um pouco e é essa paralisia que mais me atrapalha em tudo na minha vida, minha cabeça lota, fica parecendo meu notebook com um quadrilhão de processos abertos até a hora que espana de tal forma que nem ctrl+alt+del resolve. Tenho uma teoria que seu pc geralmente vai ser como é sua cabeça, minha área de trabalho é uma zona, trocentas pastas que eu não uso, fotos que eu jogo na área de trabalho só pra enviar pra alguém e esqueço de deletar, igualzinho a organização do meu cérebro. Então se fosse pra dar alguma dica, da uma olhada em como você gerencia seu computador pessoal, a chance de estar fazendo a mesma coisa com a sua cabeça é muito grande.
 
As vezes parece que é legal viver essa vida meio melancólica, meio depressiva, (mais sobre depressão em um outro post) parece que as vezes o rótulo de eterna promessa é mais gostoso do que de realizar algo de fato. Nesse momento minha cabeça fervilha de ideias, ideia de negocio, livro, quadrinho, musica, cinema, estudar, mas tal qual meu notebook, a incapacidade de priorizar as tarefas faz tudo travar e ter que reiniciar, tal qual o notebook, acabo perdendo todos os trabalhos não salvos, o que geralmente é tudo. Parece que ter a ideia é muito, mas muito mais legal do que executar a ideia, com certeza acho que a gente precisa aprender a viver uma vida mais real. Embora nossa criatividade seja algo espetacular, as vezes a gente idealiza tanto uma coisa, que na hora de sair do plano das ideias e ganhar forma no mundo real, qualquer coisinha que diferencie do mundo de fantasia já nos desanima a continuar. Por isso que viver sendo a eterna promessa é legal, assim eu posso viver uma vida fantástica na minha cabeça, sem correr o risco de me frustrar com os empecilhos da vida real. 
 
Eu nunca consigo imaginar alguma coisa que não seja grandiosa e quando eu começo algo que dá indícios de não ser no mínimo espetacular, todo meu tesão vai por água abaixo, isso com certeza é meu pior defeito, sou igual meu pai, “correto no pensamento, falho na execução” 1. Prometi pra mim mesmo que não vou fazer isso no aqui, passei uma semana pensando em fazer esse blog, se faria de maneira anônima, layout, formato. Eram 30 segundos pensando na parte técnica e meia hora sendo entrevistado pelo Jô no fantástico mundo de Juan. Eu consigo muito conceber a ideia quase pronta, posts que dariam um livro, um milhão de acessos, mas não consigo suportar a rotina diária de fazer algo que alcance esse valor.
 
Vou firmar um compromisso com vocês aqui, de não abandonar o blog por nada, de escrever uma vez a cada quinze dias, mesmo que depois de um ano eu não esteja nem próximo de dar uma entrevista pro tio da esquina. 
 
Comecei o blog pensando em escrever sobre muitas das conclusões que eu cheguei e quem sabe ajudar alguém, mas no fim esse post serviu mais como um desabafo, escrevendo algumas coisas ficaram bem claras pra mim, as vezes escrever pode ser melhor que terapia. 
 
 
1. citação do seriado Californication, que será objeto de alguns posts. 
Anúncios